PENA vs AUTOCOMPAIXÃO por Psic. Kelson Teixeira

PorGelson Daniel

PENA vs AUTOCOMPAIXÃO por Psic. Kelson Teixeira

Pena vs Autocompaixão

Por: Kelson Teixeira

Alguns meses atrás, deparei-me com um indivíduo que após o fracasso de um investimento, passou a sentir pena de si mesmo, ao ponto de cair numa ligeira depressão… Algum tempo se passou, e após algumas sessões de terapia, livrou-se da mesma depressão, percebendo que devemos ter compaixão de nós e nunca pena, pois, sentir pena de nós, bloqueia a nossa resiliência e capacidade de superação…

O sentimento de Pena

Todas as pessoas, em algum momento, passam por situações que as fazem sofrer. Contudo, se apegar de forma intensa a estes acontecimentos, colocando-se no papel de vítima, é sentir pena de si mesmo.

O sentimento de pena é algo comum na vida da maioria das pessoas que se sentem tristes, passando por fracassos e ao verem alguém em uma situação delicada e de sofrimento. Por mais que pareça ser motivado pela bondade, é algo que deve ser evitado, pois, ter pena dos outros e de você mesmo pode ser um sentimento bastante nocivo, uma vez que pode nos levar a criar padrões negativos em relação à nós e a outras pessoas, fazendo com que muitas vezes, mesmo que inconscientemente nos sintamos culpados pelo nosso sofrimento e de outrem…

Enquanto a pena é apenas uma sensação de aflição e tristeza em relação ao nosso estado e do outro, a autocompaixão é acompanhada de um desejo de tornar aquele sofrimento menor e superar.

Autocompaixao…

Definida basicamente como a prática da compreensão e gentileza consigo mesmo, a autocompaixão nos ajuda a aceitar que somos imperfeitos e estamos sujeitos a erros, falhas e perdas, sem que sejamos fracassados e inválidos…

Segundo a autocompaixao wordpress, Quando não cultivamos a autocompaixão, somos duros e rígidos connosco; temos dificuldade em aceitar nossos erros, e nos culpamos por eles; nos cobramos para sermos perfeitos com frequência, e nos desapontamos com as expectativas tão altas que criamos; achamos que não estamos suficientemente prontos quando somos reconhecidos, pois temos dificuldade de aceitar que já merecemos a felicidade e o reconhecimento nesse exato momento; nos julgamos pelos nossos pensamentos e emoções não prazerosos, e os reprimimos; não reconhecemos e não sabemos escutar as nossas necessidades, pois precisamos dar conta das necessidades dos outros antes;  suportamos por muito tempo situações que não nos fazem bem por acharmos que não merecemos algo melhor; nos sobrecarregamos de coisas, deveres, cobranças; perseguimos e projetamos nos outros nossas necessidades não atendidas de cuidado, valorização e aceitação; temos dificuldade de expor as nossas fragilidades e vulnerabilidades; achamos que temos algum problema quando não cumprimos com qualquer um dos itens do “roteiro de felicidade” (como casar e ter filhos, ou ter um emprego, por ex); também nos culpamos se não nos sentimos felizes quando estamos cumprindo com esse roteiro, ou se não atingimos alguma meta; nos achamos estranhos, inadequados, pois nos sentimos pressionados a sermos uma outra pessoa.

Assim afirmou Thupten Jinpa Langri (estudioso budista tibetano, ex-monge e acadêmico de estudos religiosos e filosofia oriental e ocidental, principal tradutor de inglês para o Dalai Lama)

“Cultivando a autocompaixão, nós não nos avaliamos conforme os nossos sucessos, e não nos comparamos com os outros. Ao invés disso, reconhecemos as nossas falhas e erros com paciência, compreensão e bondade. Percebemos os nossos problemas dentro de um contexto maior da nossa condição humana compartilhada. Então, a autocompaixão, diferentemente da autoestima, nos permite estar mais conectados com as outras pessoas, e mais positivamente à sua disposição. Finalmente, a autocompaixão nos permite ser honestos connosco. Com essa atitude de aceitação, a autocompaixão promove uma compreensão realista da nossa situação.”

Assim sendo, diante das mais diversas quedas impostas pela vida, por mais difícil que seja, evite e vitimização, opte pela autocompaixão!!!….

Sobre o autor

Gelson Daniel editor

Deixar uma resposta