Síndrome da Criança Rica

PorSara Paiva

Síndrome da Criança Rica

Já ouviu falar da síndrome da criança rica? Esta síndrome é conhecida também como ricopatia, mas ao contrário do que a maior parte das pessoas pensa, não se refere a filhos de pessoas ricas. Antes está relacionado com o facto dos pais darem tudo o que as crianças pedem, sem que para isso elas tenham de fazer algum tipo de esforço.

Apesar de há uns tempos este tipo de atitude ser mais visível em famílias de alta renda, hoje já vemos que existem famílias de baixa renda que actuam desta forma perante as crianças. A razão, sobretudo, deve-se ao facto dos pais quererem, inconscientemente, substituir a sua ausência emocional e física por bens materiais.

Síndrome da Criança Rica – Origem do termo

Apesar de estarmos a falar desta síndrome, vale a pena salientar que esta condição ainda não é reconhecida como diagnóstico clínico pelas associações de psiquiatria. No entanto, o uso do termo tem vindo a ser usado desde a década de 90.

O termo “afluência” foi o que se começou a difundir para esta condição no livro The Golden Ghetto: The Psychology of Affluence. No livro explica como crianças de famílias ricas, mimadas, se mostraram irresponsáveis e com falta de empatia. Segundo o autor, esta é uma consequência directa da superprotecção, do excesso de mimo, e da tentativa de colmatar com presentes e dinheiro a falta de tempo por parte dos pais.

Como saber se estamos a promovê-la?

Antes de mais nada, é preciso que tenha em consideração que não acontece apenas em famílias ricas. Mesmo famílias de classe baixa e média é possível promover a síndrome de criança rica.

Os pais tentam “tapar” um buraco deixado pela ausência com recompensas materiais, mesmo que esses presentes não sejam muito caros.

Um dos principais sintomas é quando a criança, ou adolescente, expressa tédio com frequência. Por muitos brinquedos que tenha, ou por muitos dispositivos tecnológicos que possua, as crianças com esta síndrome nunca estão satisfeitas, e por isso se aborrecem facilmente com aquilo que já têm.

Um dos erros dos pais é dar um presente para que a criança fique mais calma, ou para evitar que ela tenha acessos de raiva. No entanto, ao fazê-lo, apenas estamos a encorajar o comportamento. Isto acontece também quando, a qualquer “favor” que a criança nos faça, a recompensamos com um presente. Podemos incentivar a síndrome, da mesma forma, ao recompensar a criança sempre que ela se comporta correctamente.

Presentes caros, mesmo que a ocasião não seja especial, só faz com que a síndrome seja promovida.

Este tipo de atitudes por parte dos pais faz com que a sua própria saúde mental, emocional e financeira seja afectada, mas também prejudica a criança e adolescente.

Consequências da Síndrome da Criança Rica para os filhos

A baixa auto-estima e a falta de motivação são algumas das consequências desta síndrome. Crianças com síndrome da criança rica também são incapazes de tolerar frustrações. Na mente delas, elas merecem tudo, e por isso não aceitam um não como resposta.

Outra característica das crianças com esta síndrome é que elas não conseguem enfrentar os problemas, até porque o pai ou a mãe podem perfeitamente resolvê-lo por elas. Por isso, a inconsciência perante os seus actos faz com que sejam indisciplinados e irresponsáveis.

É comum, também, quando têm um desempenho baixo na escola, apresentarem altos níveis de ansiedade e stress, pois não receberão a comum recompensa. Não porque vão desiludir os pais, mas porque não recebem um presente pelas boas notas.

 

Sobre o autor

Sara Paiva editor

Deixar uma resposta