Síndrome de Cotard

PorSara Paiva

Síndrome de Cotard

A síndrome de Cotard é um transtorno mental que leva uma pessoa a acreditar que está morta, mas na verdade não está. A pessoa que sofre desta síndrome tem certeza que já não existe, sem qualquer dúvida.

Trata-se de um tipo de delírio, também conhecido como delírio de negação ou niilista. Não é comum, mas já foram documentados alguns casos.

Síndrome de Cotard – Características

Normalmente, a pessoa que sofre desta síndrome tem uma alteração na intensidade das emoções, é sempre negativo e não tem qualquer força vital.

É também comum que estas pessoas tenham uma hiperactividade na amígdala, inibição da parte do cérebro da frente esquerda e danos nas têmporas-parientais.

De entre os principais sintomas da síndrome de Cotard encontramos:

  • Pensamentos suicidas
  • Depressão
  • Acredita-se que ficam sem sangue
  • Acredita-se que o corpo não existe
  • Acredita-se que está morto
  • Acreditam que o corpo se está a decompor, que existem vermes por cima do corpo, e alguns afirmam que já não têm órgãos internos
  • Acredita-se que são imortais
  • Não sentem dor

Esta síndrome pode apresentar-se como um delírio em depressões delirantes e psicóticas, e em doenças mentais severas, como demência, esquizofrenia e psicoses.

Decorrente da crença que o seu corpo se está a decompor, que os próprios órgãos estão a apodrecer, estas pessoas chegam a sentir um cheiro a podre.

Tratamento

O tratamento para a síndrome de Cotard não é fácil, especialmente porque o diagnóstico normalmente envolve outras doenças.

Dependendo do grau e complexidade da síndrome, os médicos podem usar uma combinação de medicamentos, como sedativos, injecções, comprimidos, antidepressivos, e antipsicóticos.

Quando o tratamento com medicação não se mostra eficaz, o médico pode sugerir terapias eletroconvulsivas.

Esta é uma doença neurológica-mental que para os profissionais médicos ainda é um desafio. Muito porque esta é uma doença não comum, podemos dizer que é rara, o que dificulta o estudo da doença.

Sobre o autor

Sara Paiva editor

Deixar uma resposta